Como confiar em si mesma se você não se conhece?

Como confiar em si mesma se você não se conhece?

Provavelmente você não confia em alguém que não conhece e dificilmente apoiará e torcerá por ela – isso porque não há nenhuma empatia envolvida.

Se conhecer é olhar também para a parte que achamos ruim de nós e aceitar que faz parte de quem somos

Além disso, quando se conhece pouco alguém, existem grandes chances de você ter uma visão distorcida sobre aquela pessoa e suas capacidades, além de ser mais fácil pegar ranço

Agora te pergunto: Como você quer confiar em si se você não se conhece? Pois é, não dá. Você não tem como gostar e torcer por si, se sentir à vontade consigo e ter uma visão real de quem é sem saber que você é, do que você gosta, como você age.

O que a falta de autoconhecimento gera?

Algumas consequências podem ser: visão distorcida de si, falta de consciência com os próprios processos, exigência exacerbada de si mesma, não priorizar as próprias vontades, baixa autoestima, e por aí vai.

Por isso você encontra tantos psicólogos e terapeutas falando desse tal de autoconhecimento, ele é importante para darmos conta de nós mesmas, saber o que gostamos, saber o que faz sentido para nós, conhecer tudo que gostamos e não gostamos de nós.

Tá, mas como faço para alcançar o autoconhecimento?

Partimos do princípio que você não é hoje a mesma que era a um ano atrás, isso porque está em constante movimento e cada vivência sua te transforma de alguma forma. Tendo em vista isso, podemos entender que o autoconhecimento não é um objetivo final, mas sim um exercício constante e diário.

Não é trabalhoso fazer isso, mas exige constância basta se acostumar com coisas como observar a si mesma, entender como você responde às demandas do mundo e as suas demandas internas, como se organiza (ou como deixa de se organizar) para algumas coisas. Tudo que você faz é conteúdo de observação.

Essa observação deve ser feita sem julgamentos, apenas acolhendo o que você é – e aí vem a parte difícil né? Porque tendemos a nos julgar demais (tem texto sobre isso aqui no blog!) e, ao mesmo tempo, não queremos acolher que temos sombras, queremos fugir delas a qualquer custo. Com isso chegamos ao nosso próximo tópico:

Se conhecer nem sempre é gostoso e você vai precisar abraçar suas sombras

Pois é gente, se conhecer é olhar também para a parte que achamos ruim de nós e aceitar que faz parte de quem somos, ninguém é a mocinha ou heroína da novela o tempo todo, você vai ter características na sua personalidade que não são agradáveis também, aceite que essa pluralidade faz parte de quem você é.

Significa que não pode mudar? Não! Mas significa que mesmo que mude sempre terão coisas que puxam para o outro lado da balança, só assim encontraremos equilíbrio.

Por nem sempre ser gostoso é que fugimos tanto do processo de se conhecer e acabamos sabendo mais sobre nossos amigos do que de nós mesmos – o que se você parar para pensar não te ajuda muito.

Então vou dar 6 dicas importantes para você começar a praticar o seu autoconhecimento:

1. Se priorize!

Sei que tem muita coisa para fazer e o mundo te exige demais, mas se você não estiver bem consigo mesma não poderá dar conta de nada, então entenda que você é a prioridade e doses de egoísmo serão importantes para isso!

2. Crie um momento seu no dia

Você precisa ter tempo para olhar para si, então pegue 05 minutos do seu dia (pode ser quando ele começa ou quando ele acaba) e se dedique para algo que te faz bem. Pode ser ler, escrever, pintar, dançar, qualquer coisa que faça você se sentir próximo de si.

3. Escrita terapêutica

Já falei sobre isso aqui no blog também: a escrita é uma ferramenta poderosa de autoconhecimento! Te proponho a ler o texto sobre isso e criar o hábito de escrever sobre como você se sentiu a cada dia. Isso ajuda a aprender a nomear seus sentimentos e entender seus padrões de comportamento, o que gosta, o que não gosta e o caminho que você tomou para chegar naquela situação.

4. Pratique

Não adianta você se bombardear de conteúdos e dicas de autoconhecimento e deixar lá na gavetinha da sua cabeça, bora colocar em prática, avaliar como funciona para você e adaptar o que for necessário, só você poderá dizer o que faz mais sentido!

5. Respeite seu processo

Isso é super importante: entenda que tudo leva um tempo para fazer sentido e você não vai se conhecer do dia para noite. Leva tempo e acolhimento para isso! Seu processo é único, respeite o tempo das coisas e não se compare com a blogueira que parece a Srta. Goodvibes que sabe tudo de si mesma (até porque ela não sabe, te garanto!).

6. Acolha o que vier

Todo mundo tem características que não são tão legais e aceitamos as pessoas assim, então porque não fazer isso consigo? Quanto mais você se conhece mais fácil é aceitar algumas coisas, mas sempre lembre que suas sombras sustentam suas luzes e acolha o que você tem de “bom” e “mau” (bem entre aspas mesmo porque acredito que essas qualidades não funcionam bem para nos descrever).

Espero de coração que esse artigo possa ajudar você de alguma forma a iniciar um processo de autoconhecimento. Se precisar de mais dicas, se joga nos textos aqui do Prateleira e também no meu Instagram – lá tem muuuuita coisa legal para te ajudar!

Psicologa Debora Barros

Debora Barros

Psicóloga
Apoiando a transformação da sua autoimagem e melhora da sua autoestima.
11 93300-9142

Related Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *