Teu cabelo, tua história

Teu cabelo, tua história

O estilo, também pode ser visto na maneira como você mantém seus cabelos.

Seus cabelos podem sinalizar sua forma de encarar a vida, registrando assim sua identidade pessoal. Curto, longo, liso, cacheado, raspado, grisalho ou ausência de cabelo, são ferramentas de comunicação, expressão, e uma forma da gente contar nossa história.

Nossos cabelos já nascem com características próprias. Através dessa nossa observação sobre eles, levando em consideração nossas características pessoais, sem medo de nos mostrar através deles, podemos descobrir como fazer dos nossos cabelos (ou ausência de cabelos) nosso meio de expressar idéias e valores.

O teu cabelo não precisa ser apenas uma moldura do seu rosto.

O corte dos cabelos ou a falta deles, possui inúmeros significados nas civilizações e povos antigos, podendo indicar a classe social, a religião ou o estado civil.

Na Índia, cortar os cabelos está intimamente ligado à religiosidade e ao desapego. Doar os fios aos deuses é como oferecer um pedaço de si mesmo.

Na época da Grécia Antiga, o cabelo curto era apenas usado por escravos. Já na Bíblia, a força de Sansão, era representada por seus cabelos. Tanto no Oriente como entre a nobreza européia, o cabelo comprido nos homens era sinal de virilidade e poder.

O cabelo pode ser considerado um sinônimo de liberdade e disponibilidade sexual, por isso, freiras e frades raspavam os cabelos, ao mesmo tempo que formulavam os seus votos, já que com este ritual renunciavam aos prazeres e à vida terrena.

Adri Borges

Sempre gostei de cabelOMMM, independente do comprimento, gosto deles volumosos. Trago comigo, referências pessoais. Os cabelões e sobrancelhas grossas da década de 80. É estilo! Não tem nada a ver com Moda. Hoje, optei por mantê-los naturais, preservando os fios brancos.

Por muito tempo, a mulher que optava por manter seus cabelos brancos aparentes, era considerada desleixada ou com pouca vaidade. Ainda bem que as coisas mudaram. Ou melhor, nós mulheres tivemos a coragem de mudar. Hoje, ostentar uma cabeleira branca, é sinal de autenticidade e segurança.

Os fios brancos chegam acompanhados de algumas marcas de expressão no rosto que carregam nossas histórias e vivências. Com eles, também aparecem a segurança, a objetividade, a assertividade e a vontade de realizar tudo com mais intensidade. Passamos a observar mais, e dizer mais NÃOS.

Parece que enxergamos melhor, não com os olhos da face, mas com os olhos do coração. Essa experiência, te faz perceber, que a passagem do tempo, pode ser algo leve e simples, a partir do momento em que aceitamos olhar nossas fases da vida como processos de amadurecimento.

Não posso deixar de dizer a liberdade que me consome em não estar presa a paradigmas e preconceitos.  Só estou escrevendo tudo isso aqui, para te incentivar! Se você começou a observar os primeiros sinais, não se desespere! Sinta-se motivada e acolhida.

Qual cabelo te representa? Já parou para pensar?

Boa reflexão! Até a próxima leitura.

Namastê – Adri Borges.

Adri Borges

Adri Borges

Estilista pós graduada em Moda pela Faculdade Santa Marcelina
Formada em Yoga
Formada em Ballet Clássico

Related Article

2 Comentários

  1. Alice
    11 meses atrás

    Adorei a matéria! Na fase mais confiante da minha vida era quase chanel e loiríssimo. Sempre preferi as madeixas loiras, mas na pandemia está longo e com a cor natural castanha, acho que por estar sem tempo para pensar no visual.

  2. Adriana
    11 meses atrás

    Que legal saber da sua história ❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *