Magazine luiza e as cotas raciais

Magazine luiza e as cotas raciais

Nas últimas semanas, a rede de lojas Magazine Luiza, entrou em uma polêmica só. Apresentou o seu projeto interno de Políticas de Ações Afirmativas para a população negra, ou seja, uma ação  que deveria acontecer em âmbito geral e com o Poder Público todo envolvido, gerou o maior auê nas redes sociais.

Foram tantas informações, que me dei ao direito de não ler mais. Aí vem a Laine, do Prateleira de Mulher e me questiona: “Você viu só, a situação do MagaLu? É importante sua fala. E você, não vai escrever nada?

A vontade era de dizer não! Cansei de ter que explicar a todos, ou melhor, desenhar sobre isso. Respirei, pensei e… posso escrever, mas não tentando explicar o fato da MagaLu ter feito uma proposta de Políticas de Ações Afirmativas, mas apresentar algumas ações afirmativas que não são questionadas, ou melhor, não são afirmativas tá!

Então vamos lá!

  • Segundo o relatório da UNICEF,  45,6% do total de crianças e adolescentes do País estão em uma situação de pobreza. Entre as crianças brancas, a pobreza atinge 32,9%; entre as crianças negras, 56%. Nesta conta, uma criança negra tem 70% de chances de nascer pobre;
  • O mesmo relatório apresenta que uma criança dos povos originários, tem três vezes mais chances de estar fora da escola. Já as crianças negras possuem 30% de chances de estarem fora da escola com relação às crianças brancas.
  • Para o item de exploração sexual, as vítimas são, em sua grande maioria adolescentes entre 15 e 17 anos de idade, quase sempre negras ou indígenas.
  • Segundo o IBGE, a taxa de analfabetismo entre os negros e negras com mais de 15 anos é de 9,1; na população de brancos e brancas é de 3,9.
  • A morte de mulheres negras – feminicídio é de 61%; para as mulheres brancas é de 38%;
  • Com relação às intervenções dos agentes de segurança pública, que resultam em morte, 74,5% são negros ou pardos.
  • Entre 2007 até 2017, o números de pessoas negras mortas cresceu 33,1%; já a de pessoas brancas de 3,3 %;
  • Um jovem negro tem 2,5 vezes mais chances de ser vítima de homicídio do que um jovem branco.
  • O rendimento médio domiciliar per capita de negros era de R$ 934 em 2018; já a população branca era de R$ 1.846;
  • Com relação ao trabalho informal 47,3% eram negros e 34,6% eram brancos;
  • Segundo o Instituto Ethos, os negros ocupam 4,9% de postos Administrativos  das 500 empresas de maior faturamento do Brasil. No quadro executivo somos 4,7% e na gerência apenas 6,3%.

Aí me pergunto: estes itens não são questionados da mesma forma que o programa da Magazine Luiza está sendo e das demais empresas que sinalizaram a mesma postura? Acompanhei alguns post nas redes sociais que diziam: “ainda bem que ela avisou, assim vocês não perdem tempo como nós já perdemos”. Ou um outro “quando era 100% na faxina e portaria não tinha mimimi.

Mas pensando na estrutura capitalista do nosso país, no patriarcado instaurado e na síndrome do senhor da casa grande, preciso humildemente dizer: MagaLu, você errou! Foi contra mais de 500 anos de política excludente e negacionista.

Mas se pensarmos em Políticas de Ações Afirmativas e alinharmos com um compromisso social e humano, só posso dizer GRATIDÃO. Por agir e entender que não é favor nenhum, mas uma forma de não contribuir para os dados apresentados.

Eles combinaram de nos matar, mas nós combinamos de não morrer.

Conceição Evaristo
Patricia Pio

Patricia Pio

Pedagoga com Habilitação em Gestão Escolar
Especialização em Gestão de Políticas Públicas, Inclusão e Diversidade Social
Mestranda em Educação – Formação de Professores pela UFSCAR-Sorocaba

Related Article

20 Comentários

  1. Luciana
    8 meses atrás

    Eu também vi e ouvi muitos absurdos. Mas a maioria de pessoas incapazes de pensar ou estudar, então vamos continuar ensinado e lutando para ocuparmos nosso espaço! Não se trata de capacidade e sim de racismo. Vamos meu povo preto, agora é a hora!

    • Patricia
      8 meses atrás

      Luciana, que bom ter as suas contribuições….

  2. Tania Santos Svarcas
    8 meses atrás

    Que triste ver que,ainda estamos em desvantagens em tudo,mais que bom que tem negros se capacitando cada vez mais,Para fazer justiça,pois já passou da hora.🤝

    • Patricia
      8 meses atrás

      Tania, por isso que precisamos criar espaços para dialogar sobre o assunto.

  3. Alice
    8 meses atrás

    Penso que os que foram contra esse processo de seleção do Magalu são pessoas vazias que sequer têm uma causa para se engajar. Sabemos também que tem muita gente querendo se aproveitar das redes sociais para criar polêmica e ganhar os seus 15 minutos de fama.

    • Patricia
      8 meses atrás

      Alice, bem coerente a sua contribuição…

  4. Amanda
    8 meses atrás

    Parabéns Pio! Deus te abençoe sempre.Muito sucesso.👏👏👏

    • Patricia
      8 meses atrás

      Amandita….obrigada!!!!

  5. Luciana Faria
    8 meses atrás

    Patrícia seu texto é extremamente importante!
    Quando usamos dados / ilustrações/ ainda assim nem sempre entendem … e por mais que seja muito difícil explicarmos toda vez/ todo dia / toda hora , ainda assim é importante…
    Por muitas e muitas vezes pensei que tinha que ser e fui muito melhor que as outras pessoas … pq sempre me foi dito que “ tinha que ser a melhor por ser negra”.
    Então MAGALU , que as pessoas que concorrem a estas vagas , possam ser elas mesmas … e que a estas vagas do MAGALU seja apenas o primeiro passo para a reparação de 300 anos!
    UBUNTU

    • Patricia
      8 meses atrás

      Luciana, realmente que as pessoas possam ser elas mesmas….

  6. Daia Moura
    8 meses atrás

    Reflexão muito urgente.
    Mesmo vendo e sabendo desses dados as pessoas reclamam. Creio que não é falta de estudo: é racismo mesmo. Puro creme do privilégio branco… Como a Patricia Pio bem coloca diante desse sistema capitalista patriarcal racista a empresa errou. O sistema quer deixar tudo exatamente como está… Qualquer ação que movimente mudanças e transformações vai ser questionada e atacada (mesmo quando envolve a ideia de aumentar consumidores). Que mais empresas despertem…

    • Patricia
      8 meses atrás

      Por mais reflexões Daia….precisamos!

  7. tharcisio
    8 meses atrás

    Ela é minha professora eu tenho a melhor professora do mundo
    prof eu gosto muito de voce

    • Patricia
      8 meses atrás

      Olá Tharcisio, que alegria ver sua msg aqui!
      Gratidão, também gosto muito de você. hoje Sou a melhor pois tenho os melhores alunos do mundo….

  8. Letícia Maria
    8 meses atrás

    Ela é minha professora, eu tenho um super orgulho de ter uma prof demais como você, obrigada por ser minha prof.

    • Patricia
      8 meses atrás

      Letícia Maria, que lindeza ter vc aqui. Vc é meu orgulho!!! Gratidão por vc me acolher com tanto carinho. Gratidão!!!!

  9. Gabriella Dario
    8 meses atrás

    Ela é a minha prof e gosto muito dela e gostei muito do projeto que o MAGAZINE-LUIZA está fazendo parabéns

    • Patricia
      8 meses atrás

      Gabriella Dario, que legal você escrever sobre o Projeto. Adorei!!!

  10. Patricia
    8 meses atrás

    Por mais reflexões Daia….precisamos!

  11. Patricia
    5 meses atrás

    Marcos, muito obrigada!!! Sempre é muito importante saber da opinião de vocês. Gratidão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *