Crenças limitantes sobre dinheiro. Afinal, o que são?

Crenças limitantes sobre dinheiro. Afinal, o que são?

Para falar das crenças limitantes sobre dinheiro, primeiro é preciso compreender o que são crenças e como elas surgem. As Crenças são “supostas verdades” que nos foram ditas e que adotamos como verdades absolutas, pois normalmente, nos foram apresentadas na infância por aqueles que mais amamos e nos quais mais acreditamos: Nossos pais!

Falar sobre dinheiro é um tabu para a maioria dos brasileiros e isto deve-se às crenças que aprendemos desde a infância. Aprendemos que “dinheiro é sujo”. Logo, se é sujo, é ruim e feio e não devemos falar a respeito.

À medida em que crescemos, crescem também a quantidade de crenças sobre o dinheiro: “dinheiro não traz felicidade”, “dinheiro não dá em árvore”, “dinheiro é a raiz de todos os males”, “todo o rico é desonesto”, “só é rico quem nasceu rico” e por aí vai. Nem todas as crenças são negativas e limitantes, contudo as crenças sobre dinheiro, geralmente são.

A boa notícia é que por mais limitante que seja uma crença, é sim possível eliminá-la.

São chamadas de crenças primárias as crenças adquiridas na infância e, estas são as mais poderosas e quando limitantes são também perigosas, pois crescemos ouvindo-as. Logicamente, nossos pais e antepassados não fizeram por mal. Eles apenas reproduziram o que ouviram e a maneira que foram ensinados. Dessa forma, as crenças vão se perpetuando de geração em geração.

As crenças limitantes sobre o dinheiro agem no nosso subconsciente e, na maioria das vezes, sem que percebemos determinam a relação que temos com nossas finanças, definem nossa qualidade de vida e, muitas vezes, nosso sucesso ou insucesso.

Ao poder das crenças limitantes sobre o dinheiro, soma-se a ausência de educação financeira formal. Segundo matéria da Gazeta do Povo, o Brasil é o país dos analfabetos financeiros, pois embora algumas escolas já possuam educação financeira em suas grades curriculares (na verdade, 21% das escolas atualmente oferecem a disciplina), o número de pessoas adultas com conhecimento de economia e finanças ainda é considerado baixíssimo, independentemente do grau de instrução. Há mestres ou doutores das diversas áreas de atuação que não possuem domínio de suas finanças.

Contudo, a boa notícia é que por mais limitante que seja uma crença é sim possível eliminá-la. Não é tarefa fácil, pois as crenças estão “gravadas” em nosso subconsciente e como todo o processo de mudança implica em escolhas e etapas. São três etapas decisivas neste processo:

1 - Identificar

Reconhecer que temos crenças limitantes é o primeiro passo. Além de reconhecer, é necessário identificar todas elas, analisando o quanto esta crença nos limita e atrapalha nossa vida.  Certamente você já ouviu a expressão “melhor que ter as respostas é saber fazer as perguntas”. Isso é totalmente verdade quando necessitamos identificar algo!  Usando o exemplo da afirmação “dinheiro não dá em árvore”, chega-se à seguinte conclusão: Dinheiro por si só não dá em árvore, pois não pode ser plantado, mas pode-se plantar arroz, feijão, batata, soja, milho e etc. que será transformado em dinheiro! Logo, será que não existe nenhum fazendeiro que viva bem ou seja até rico? Enfim, questionar-se é um grande trunfo para reconhecer crenças.

2 - Querer

Depois de reconhecer e identificar é imprescindível querer eliminar as crenças limitantes de sua vida. Se você entender que precisa de auxílio para ir adiante, há várias técnicas e terapias como a PNL (programação neolinguística), Coaching, Tethahealing e outras que ajudam no processo de identificação e eliminação de crenças. Contudo, qualquer que seja a técnica utilizada, é essencial ter vontade de mudar seu mindset financeiro, eliminando a mentalidade de escassez, de dor e de dificuldade.

3 - Ser grato

Quando se fala em crença, é inevitável falar de antepassados. Logo, quando você identifica uma crença, é necessário também reconhecer que ela não lhe foi apresentada intencionalmente ou com o intuito de lhe fazer mal. Então, é preciso honrar seus antepassados, ter gratidão pelos ensinamentos, reconhecendo que aquela crença foi importante para que você chegasse até onde está, mas que agora ela não lhe serve mais. Você é adulto, protagonista de sua vida e tem escolhas! Então, Libere-a! “Gratidão é a memória do coração” e tem o poder de liberar o passado, reconhecendo o quão importante ele foi, abrindo-se para o novo. Dessa forma, você estará DESCONSTRUINDO uma crença e estará livre para RECONSTRUIR uma nova maneira de ver e lidar com o dinheiro, de forma a estar aberta a abundância, prosperidade, riqueza e consequentemente, felicidade.

Agora que você já sabe o que são crenças limitantes e como elas podem prejudicar a vida financeira das pessoas, compartilhe conosco aqui no Blog Prateleira de Mulher, quais as crenças que você acha que pode ter ou tinha. E se já conseguiu eliminá-las, conte-nos como foi este processo de desconstrução e reconstrução.

Até o próximo artigo…

UBUNTU!

Dirlene Silva

Dirlene Silva

Economista, Mestre em Gestão e Negócios, Consultora de Inteligência Financeira, Coach e Mentora
https://www.linkedin.com/in/dirlenesilva/

Related Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *