5 etapas para criar um vídeo currículo

5 etapas para criar um vídeo currículo

O vídeo currículo já se mostrava uma tendência crescente em processos seletivos de diversas empresas e com a pandemia, mais organizações aderiram à modalidade, se tornando um grande aliado e, diria até, uma grande saída para driblar a problemática da falta de contato pessoal.

Etapas que contam com o auxílio da tecnologia são uma grande vantagem não só para as empresas, mas também para os candidatos, reduzindo a necessidade de deslocamentos para a sua realização, poupando assim tempo e inclusive dinheiro. Sem falar que, com as ferramentas cada vez mais modernas, fica mais fácil garantir uma seleção assertiva, afinal, uma contratação mal realizada é ruim para ambas as partes.

O vídeo currículo se apresenta em diversos formatos e com uma variedade de objetivos. Pode ser realizado de forma livre, onde o(a) candidato(a) opta pelas informações mais relevantes para gravar uma apresentação pessoal – ou pitch, como é comumente utilizado pelo mercado – ou a empresa pode solicitar que você responda a perguntas pré-definidas, por exemplo.

Inclusive, muitas plataformas utilizadas contam com o auxílio de inteligência artificial, que registra diversas informações relacionadas à linguagem corporal do (a) profissional, suas emoções, expressões e sentimentos.

Dada a complexidade mencionada acima, não existe uma receita de bolo para desenvolver um vídeo currículo, mas seguindo algumas dicas é possível garantir que você adquira um alto grau de confiança e dê o seu melhor nesta etapa.

Vamos lá?

1 - Conheça a sua trajetória

Não existe boa performance sem autoconhecimento, então o primeiro passo é refletir, analisar e destacar as principais passagens da sua vida pessoal, acadêmica e profissional. O objetivo aqui é identificar as suas características pessoais e as competências profissionais que reforcem o seu potencial enquanto candidato (a), trazendo evidências práticas nas experiências vividas.

2 - Desenvolva um discurso estratégico

Identificados os pontos propostos acima, agora é hora de relacioná-los com os seus objetivos de carreira e de acordo com a vaga para a qual está se candidatando. Considere as responsabilidades da posição e a empresa em questão, para conseguir destacar as competências e os valores que venham a convergir.

Não é nada estratégico, por exemplo, ligar a câmera e fazer auto definições do tipo: sou muito proativa, tenho resiliência e adoro trabalhar em equipe. As suas competências e principais características positivas devem ser percebidas pelo recrutador através do discurso sobre a sua trajetória e experiências, de forma concisa e assertiva, trazendo os detalhes de maior relevância e que gerem essa percepção.

3 - Treine, treine e treine mais

Incorporar o seu discurso e torná-lo fluido, só se faz possível com muita prática. Lembrando que quanto mais ele estiver relacionado com a sua essência e com as suas experiências, mais naturalmente ele vai se desenvolver e logo você conseguirá adquirir confiança e, mais importante ainda, transmitir esta confiança.

Lembra quando mencionei no início da matéria sobre o uso da inteligência artificial em algumas plataformas? Quando utilizado, o sistema é programado para reconhecer padrões comportamentais e então relacioná-los com insegurança, medo, confiança, coragem, preparo e uma série de outras questões. Daí a importância de tentar garantir um discurso seguro e confiante do início ao fim.

4 - Garanta um discurso coerente, fluido e assertivo

Você deve fazer as conexões entre as suas experiências e as competências adquiridas e seguir uma ordem cronológica clara. Para se certificar de que esteja conseguindo transmitir o que deseja, você pode apresentá-lo para alguém e ao final verificar se essa pessoa ficou com alguma dúvida. Se ela ficou, provavelmente o recrutador também ficará e então é necessário rever este ponto do discurso para torná-lo mais claro.

Para manter a fluidez, é importante identificar se você está utilizando vícios de linguagem, pois podem tornar o seu discurso arrastado, confuso e inclusive tirar tempo para trazer outras informações relevantes que ficaram de fora, já que normalmente existe um limite de tempo do vídeo.

Nesse caso, uma técnica simples, mas bastante eficaz é filmar o seu discurso e identificar se a sua fala está vindo acompanhada de vícios de linguagem como “”, “”, “entende”, “éééé”, “ãããã”.

Verifique também se você está reforçando o tempo todo as informações ao invés de simplesmente transmiti-la e seguir para a próxima.

5 - Atenção a sua postura corporal

O treino leva à autoconfiança, que por sua vez é demonstrada também através da sua linguagem corporal. E é importante que a sua fala esteja em harmonia com o seu corpo, para que um não denuncie o outro.

Aproveite a filmagem que você fez e certifique-se de que a sua expressão facial transmita contentamento por estar participando do processo de seleção e trazendo aquelas informações sobre você e sua trajetória; verifique se ela indica que a qualquer momento você possa sorrir sem grande esforço, o que é um bom sinal.

Procure manter uma postura ereta e atenção para não se projetar muito para trás, como se afundasse na cadeira, e nem tanto para frente, como se fosse atravessar a tela.

Imposte a sua voz, garantindo uma boa escuta do interlocutor. Muitos profissionais acabam “falando para dentro”, o que transmite insegurança e gera esforço extra do recrutador para entender o que está sendo dito.

Garanta também que você não esteja ajeitando a roupa a todo momento como, por exemplo, puxando a manga da camisa, ajeitando a gola, etc. e também que sua mão não esteja o tempo todo mexendo no rosto, no cabelo ou nos óculos.

O seu olhar deve estar voltado para a câmera, como se estivesse olhando para o recrutador presencialmente. Tenha cuidado com os desvios constantes de olhar. O desvio para o canto superior esquerdo, por exemplo, é natural quando se busca uma memória, uma experiência já vivida e costuma ocorrer com mais frequência. Já o olhar para baixo pode significar timidez, chateação ou a tentativa de esconder algo emocional e pode ser encarado de forma negativa. Você já conversou com alguém que fica fechando os olhos a todo momento? Não parece que a pessoa está impaciente ou indiferente à conversa? Fique atento (a), pois é um ponto que pode transmitir uma mensagem errada a seu respeito para o recrutador.

Para finalizar as dicas, garanta um ambiente organizado, tranquilo, sem ruídos e sem interrupções, assim como um bom enquadramento da câmera.

alice castro nunes

Alice Castro Nunes

Especialista em recolocação para mulheres e mães

Related Article

01 Comentário

  1. novela gênesis
    6 meses atrás

    Muito bom artigo, obrigado por postar. Inclusive voltarei
    mais vezes ao seu site. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *